Em 19 de dezembro de 2014, o 15.º Tribunal Penal de Istambul absolveu os arguidos com o fundamento de que não foi possível obter provas suficientes e convincentes para a sua convicção de que tinham cometido o crime imputado.