Uma pessoa removida do serviço público pode solicitar o TUS?

Por não ser juridicamente possível a nomeação nos termos da referida disposição, ainda que o arguido seja colocado pela administração, o tribunal de primeira instância refere que no artigo provisório 35/B do Decreto-Lei n. o caso foi arquivado.

A 8ª Câmara do Conselho de Estado manteve esta decisão.

TR

CONSELHO ESTADUAL

OITAVO APARTAMENTO

Base nº: 2021/7776

Decisão nº: 2022/234

REQUERENTE (REQUERENTE): .

ADVOGADO: Atty..

PARTE OPONENTE (DEFESA): Presidência

Delegado: Atty.

OBJETO DO PEDIDO: Solicita-se que a decisão do Tribunal Administrativo n.

PROCESSO DE JURISDIÇÃO:

Reivindicação do assunto:

Em razão da determinação da “sua situação de acordo com o artigo 26 da Lei nº. Foi solicitado o cancelamento do processo referente ao indeferimento do pedido mediante declaração de que “o seu pedido não foi avaliado”.

Resumo da decisão do Tribunal de Primeira Instância:

Na decisão do Tribunal Administrativo n. .data e E:., K:.;

Uma vez que está previsto no Artigo Provisório 35/B do Decreto-Lei n.º 375 que aqueles que foram demitidos do serviço público não podem ser novamente contratados no serviço público e não podem ser transferidos direta ou indiretamente, mesmo que o autor seja colocado por a administração ré no pedido de Colocação Adicional de 1º Período de 2021 TUS, a nomeação ainda é limitada. Por não ser juridicamente possível fazê-lo, decidiu-se indeferir a ação com fundamento na inexistência de ilegalidade no indeferimento do pedido de Colocação Adicional de 1º Período TUS 2021 da autora.

REIVINDICAÇÕES DO REQUERENTE:

Pelo advogado do autor; Embora não esteja previsto na Lei nº 6.114, que determina a autoridade e dever da ÖSYM, sobre seu cliente, a ação administrativa instaurada pela ÖSYM é nula por usurpação de autoridade, e com o artigo 26 da Lei 7.145, que causa a obstrução do direito à educação garantido na Constituição. Afirma-se em muitos documentos internacionais, como a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação e a Convenção Internacional das Nações Unidas sobre Direitos Políticos e Civis, que o artigo 35 temporário acrescentou à Lei no. . Na revisão judicial do processo de demissão de seu cliente de cargo público, embora as disposições da lei pertinente tenham sido regulamentadas em violação de convenções internacionais e princípios constitucionais. Citou-se como justificativa a decisão do Tribunal Superior Criminal de Adiar o Edital de Julgamento, a instituição do Adiamento do Edital de Julgamento regulamentada no artigo 231 da CMK, embora tenha sido afirmado que não consequências para o arguido, foi despedido do serviço público com base nesta decisão. sob a alegação de que não é legalmente aceitável encerrar sua candidatura devido à investigação de segurança sem ir a nenhuma investigação e, portanto, sem dar qualquer razão sobre qual ação e comportamento de seu cliente causou o resultado negativo da investigação de segurança, sem indo além de uma avaliação abstrata, completamente arbitrária e longe de ser auditável, a ação em questão foi instaurada pela autoridade não autorizada. A decisão do Tribunal Administrativo foi revertida.

DEFESA DO OPONENTE:

Pela administração recorrida, Presidência do Pessoal do Estado. Na carta datada e não. Considerando que pode causar défice de serviço nas instituições e organizações e também as queixas de outros candidatos que tenham a nomeação, manifestou-se o parecer de que seria oportuno não incluir os referidos candidatos nos procedimentos de colocação do KPSS 2017/2. Inquirindo através do serviço prestado pela Presidência do Pessoal do Estado, e não estando incluídos nos processos de colocação dos candidatos que se determinem a serem dispensados ​​do serviço público nos dados obtidos na sequência do inquérito, decidiu-se refletir esta situação na tela de resultados e para informar os candidatos, aliás, o demandante também foi questionado antes dos procedimentos de colocação, e como se apurou que havia registro de demissão do serviço público neste contexto, suas preferências quanto ao procedimentos de colocação foram excluídos da avaliação, e o processo foi considerado funcionalmente um regulamento legal. Alegou-se que foi constituída com base nas disposições do Decreto-Lei, não existindo qualquer ilegalidade na transacção.

PENSAMENTO DO JUIZ EXAME DO CONSELHO CONSTITUCIONAL:

Enquanto o reclamante exercia a profissão de médico, nos termos do artigo 35º do Decreto-Lei nº 375, por proposta da diretoria formada pelo ministro, foi decretada sua demissão do serviço público com a aprovação do ministro competente. , e que aqueles que foram demitidos do serviço público com o Decreto-Lei pertinente não podem ser atribuídos a cargos públicos direta ou indiretamente. Embora seja claro que ele não pode ser nomeado para um cargo público; A Presidência de Seleção e Colocação de Estudantes, que atua como instituição puramente intermediária no recrutamento para cargos públicos e é a instituição responsável pelos processos de colocação em decorrência de concursos, não está autorizada na Lei nº 6.114, estabelecendo que os candidatos que não preencham as condições da função pública não serão colocados. Será decidido pela instituição relevante se a candidatura voluntária do candidato a ser nomeado para a instituição relevante a nomear após o processo de colocação cumprir as condições da função pública de acordo com a Lei da Função Pública e os Decretos relevantes, e será decidido se as nomeações serão feitas e os procedimentos de colocação feitos pela ÖSYM. Deve-se levar em conta que não resultará na nomeação direta ou indireta da pessoa para um cargo público, e que o processo de colocação e o processo de nomeação são diferentes entre si. Ao concluir, enquanto o pedido de colocação do requerente após a prova escrita deva ser apreciado e finalizado, a decisão do Tribunal Administrativo foi anulada com fundamento na inexistência de licitude do processo, o que foi estabelecido com base na decisão do Conselho de Administração sobre a exclusão dos candidatos que se encontram fora do serviço público em resultado do interrogatório, para serem incluídos nos processos de colocação em instituições e organismos públicos. é considerado necessário.

EM NOME DA NAÇÃO TURCA

A Oitava Câmara do Conselho de Estado, que proferiu a decisão, não se pronunciou sobre o pedido de suspensão da execução desde que o processo foi concluído, e a alegação de inconstitucionalidade do autor do artigo 35 provisório adicionada ao Decreto Lei nº. De acordo com o artigo 20/B, foi discutida a necessidade do trabalho:

AVALIAÇÃO JURÍDICA:

As decisões definitivas dos tribunais administrativos e fiscais podem ser revertidas por meio de recurso, se houver uma das razões previstas no artigo 49 da Lei do Procedimento Administrativo nº 2.577.

A decisão examinada pelo recurso estava de acordo com o procedimento e a lei, e os fundamentos do recurso apresentados na petição não foram considerados para exigir a reversão da decisão.

RESULTADO DA DECISÃO:

Pelas razões explicadas;

1. Recusa do pedido do requerente,

2. APROVAÇÃO da decisão do referido Tribunal, não havendo nenhum dos fundamentos de reversão constantes do artigo 49.º da Lei de Processo do Tribunal Administrativo nº.

3. O valor remanescente das despesas de portes de adiantamento e os .-TL não utilizados de suspensão de execução são devolvidos ao autor a pedido,

4. Foi decidido por unanimidade em 25/01/2022 que os autos sejam encaminhados ao referido Juízo, nos termos do artigo 20/B da Lei nº 2.577.

Officers.Net InstagramClique para seguir

Leave a Comment