‘St. Marilyn’ tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura…

class=”medianet-inline-adv”>

O mundialmente famoso retrato de Marilyn Monroe de Andy Warhol, o personagem icônico do mundo da arte dos EUA, que anunciou a era das “Celebridades” com a promessa de que “um dia todos serão famosos por 15 minutos”, teve grande impacto na público.

A pintura chamada “Shot Sage Blue Marilyn” entrou para a história da arte após o leilão realizado no Rockefeller Center, em Nova York.

Conhecida como a pioneira do movimento pop-art, a pintura concluída por Warhol em 1964, dois anos após a morte da atriz Marilyn Monroe, é registrada como a segunda obra mais cara do século 20 com seu valor atual.

Sua pintura de 1964 “Shot Sage Blue Marilyn” foi vendida na casa de leilões Christie’s em 9 de maio por US$ 195 milhões, tornando-se a pintura mais cara do 20º ano. Foto: Alamyclass=”medianet-inline-adv”>

TRANSFORMOU ITENS CULTURAIS POPULARES EM OBRAS DE ARTE CRIATIVAS

Warhol, que nasceu em uma família de imigrantes e deixou traços importantes na vida artística e cultural dos EUA, transformou produtos culturais populares em obras de arte criativas. Refletindo a produção em massa e a feiúra de seu trabalho, Warhol desenvolveu uma crítica criativa da ordem em sua arte.

Mas por que o trabalho desse artista controverso é tão popular em todo o mundo? O que significa esta obra, que reúne a vida misteriosa de Monroe e Warhol, em nossa época cercada de padrões de consumo e propagandas?

Aqui está o que a pintura mais cara do mundo contém…

QUEM É ESSE GUERREIRO?

Um dos pioneiros do movimento Pop Art que marcou os anos 1960, Andy Warhol, que atuou como escritor, diretor, produtor e designer além de pintor, sempre foi um nome que chama a atenção pela versatilidade e vistas extraordinárias.

Com foco na arte comercial quando iniciou sua carreira como artista, Warhol trabalhou como ilustrador no início de sua carreira e realizou campanhas publicitárias para marcas como Mercedes-Benz e Coca Cola. Em uma época em que tudo era rapidamente consumido e esquecido, as obras de arte também começaram a mudar de forma.

class=”medianet-inline-adv”>

'St.  Marilyn' tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura...

Andy Warhol na Galeria Anthony d’Offay em Londres em 1986… Foto: Alamy

Warhol, que conheceu a Pop Art na Inglaterra, foi aceito como o mais importante representante da Pop-Art nos EUA, que imediatamente abraçou essa tendência que vinha do dadaísmo. A respeito desse movimento, também chamado de arte popular, o artista britânico Richard Hamilton traça o quadro da Pop-Art:

“Popular, temporário, dispensável, de baixo custo, produzido em massa, que chama a atenção.”

Warhol, que encaixou muitas coisas em seus 59 anos de vida, transformou objetos de consumo cotidiano, figuras icônicas e símbolos publicitários globais em material de Pop-Art.

class=”medianet-inline-adv”>

Deste ponto de vista, era impensável que estrelas de cinema cult não se refletissem em sua arte. Quem não esteve lá, muitos nomes que deixaram sua marca no período, especialmente Marilyn Monroe, Elvis Presley e Elizabeth Taylor, encontraram um lugar em sua arte.

Mas de todos os nomes, a importância de Marilyn Monroe foi bastante alta para Warhol. A assombrosa estrela de cinema da década de 1950, Monroe, foi um objeto de arte inestimável para Warhol. A beleza de Monroe, sua tristeza, sua vitalidade, sua sexualidade, sua solidão e sua morte atraíram Warhol para ela.

Enquanto Warhol fez de Monroe o rosto icônico da cultura popular com sua pintura “Shot Sage Blue Marilyn”, a posição da dupla lembrou alguns de Leonardo da Vinci e Mona Lisa.

class=”medianet-inline-adv”>

É claro que Warhol era uma figura original que diferia radicalmente da arte antes dele e dos representantes que vieram depois dele.

'St.  Marilyn' tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura...

Uma das obras mais conhecidas de Warhol, que usa objetos produzidos em massa em sua arte, é seu anúncio de 1962 para “Sopas Campbell”. Foto: Alamy

POR QUE A TABELA É TÃO IMPORTANTE?

Por que a obra, que tem um comprador por 195 milhões de dólares e está registrada como a obra de arte mais cara do século 20, é tão importante?

As pinturas de Marilyn de Andy Warhol, que foram selecionadas como uma das três figuras mais influentes da arte moderna em uma pesquisa com 500 artistas e críticos de arte pelo The Guardian em 2004, são citadas como uma das obras icônicas do movimento pop art.

class=”medianet-inline-adv”>

Ao avaliar este trabalho, os críticos de arte argumentam que Warhol se refere à famosa e colorida vida de Monroe antes de sua morte e seu desaparecimento póstumo.

Nesse sentido, as pinturas de Marilyn também são vistas como o manifesto do movimento pop art, tanto em termos de forma quanto em referência à era do consumo.

Em 1964, Warhol explica que, inspirado pela foto promocional de Marilyn Monroe para o filme de 1953 “Niagara”, ele criou cinco retratos de Marilyn serigrafados com diferentes origens: laranja, azul claro, azul sálvia e turquesa:

“Comecei a serigrafia em agosto de 1962… Tudo era muito simples, rápido e acidental. Eu estava animado com isso… Marilyn Monroe faleceu naquele mês com apenas 36 anos. Naquele momento, a ideia de fazer sua cara de desaparecimento me veio à mente.”

Tendo preparado cinco retratos em serigrafia de Marilyn com diferentes origens, Warhol os manteve em seu estúdio de arte “The Factory” na East 47th Street, em Manhattan.

'St.  Marilyn' tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura...

Foto: Alamy

A HISTÓRIA SECRETA DO LIVRO QUE ESTAVA VENDENDO POR US$ 195 MILHÕES

O empresário da Christie’s, Alex Rotter, que fez um discurso antes do leilão realizado na Christie’s, para “Shot Sage Blue Marilyn” “20. e é o auge da arte do século 21 e da cultura pop americana. A pintura foi além de uma obra de arte clássica e se tornou o determinante da arte e da cultura do século XX. usou a frase.

No entanto, o que distingue a pintura “Shot Sage Blue Marilyn” de Warhol de suas outras obras, além de seu peso estético, é sua história extraordinária.

No evento que aconteceu em 1964, Billy Name, artista performático e fotógrafo de sua oficina “Fabrika”, vem à oficina com sua amiga Dorothy Podber. Podber vê as pinturas de Marilyn empilhadas umas sobre as outras e começa a examiná-las. Ele então pergunta a Warhol se ele pode atirar neles (o verbo atirar significa tanto atirar com uma pistola quanto tirar uma foto).

Pensando que Podber queria fotografar as pinturas, Warhol aceitou esse pedido. Podber lentamente tira as luvas e aponta suavemente a arma em sua bolsa para as pinturas e atira nas quatro pinturas de Marilyn.

'St.  Marilyn' tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura...

Exposição de Andy Warhol realizada no Palazzo Ducale em Gênova, Itália, em 2016. Foto: Alamy

No entanto, a quinta pintura em tons de turquesa “Shot Sage Blue Marilyn” sobrevive, pois não é com as outras.

Falando no documentário de 2002 “How to Draw a Bunny” sobre a pintura “Surviving”, Name descreve este evento como um “show de performance” de Podber. Name, que fotografou as pinturas naquele dia, conta que foi banido da Factory por toda a vida depois que Warhol pediu que ele não repetisse um evento como esse.

EXISTEM OUTRAS OBRAS CARAS DE WARHOL?

Adornado com histórias extraordinárias, o retrato de Monroe é descrito como a “Mona Lisa” do século XX. No entanto, “Shot Sage Blue Marilyn” não é a única pintura de Warhol a encontrar um grande comprador.

Em 2008, outro famoso retrato de Warhol, “Eight Elvises”, foi vendido por US$ 100 milhões, tornando-se uma das obras mais caras da história mundial.

Quando a pintura “Blue Shot Marilyn” foi comprada por Peter Brant por 5 mil dólares em 1967, fez bastante furor na época.

QUEM É O NOVO DONO DO “SHOT SAGE BLUE MARILYN”?

A pintura “Shot Red Marilyn” de Warhol foi vendida para Masao Wanibuchi por US$ 4,1 milhões em um leilão realizado na Christie’s em 1989. “Orange Marilyn” foi comprada por Si Newhouse em 1998 por US$ 17,3 milhões.

No leilão realizado na Christie’s no início desta semana, o negociante de arte norte-americano Larry Gagosian comprou “Shot Sage Blue Marilyn” por US$ 195 milhões, levando a obra de Warhol ao topo da lista das pinturas mais caras. Ainda não se sabe se Gagosian, que é conhecido por ser dono de muitas galerias de arte, comprou a obra para si ou para outra pessoa.

'St.  Marilyn' tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura...

Warhol costumava usar estrelas de cinema cult em seu trabalho. O retrato da estrela de cinema americana Elizabeth Taylor foi vendido por US$ 662.000 no mês passado. Foto: Alamy

É A ARTE MAIS CARA DO MUNDO?

A obra de arte mais cara do século 20, antes de Warhol, pertencia à pintura de 1955 de Pablo Picasso “Mulheres de Argel”. A famosa obra de Picasso “Mulheres de Argel” teve um comprador por US$ 179 milhões.

O recorde anterior a Warhol era do grafiteiro e pintor expressionista Jean-Michel Basquiat, com US$ 110,5 milhões.

Uma das pinturas mais caras do mundo é a do famoso pintor italiano do período renascentista, a pintura de Leonardo da Vinci “Salvator Mundi”, que foi vendida por 450 milhões de dólares. Também no topo da lista estão obras de Willem de Kooning, Paul Cezanne, Paul Gauguin, Rembrandt e Picasso.

Mas com essa venda, Warhol se tornou o artista americano mais pago por uma obra.

QUAL SERÁ A RENDA DE ‘SHOT SAGE BLUE MARILYN’?

Foi anunciado que os lucros do “Shot Sage Blue Marilyn” na coleção da Fundação Thomas e Doris Ammann, com sede na Suíça, serão usados ​​para criar programas de educação e saúde para crianças em todo o mundo.

A Christie’s Auction House confirmou que os lucros da venda irão para uma fundação com sede na Suíça.

'St.  Marilyn' tornou-se a obra de arte mais cara do século 20: Aqui está a interessante história dessa pintura...

COMO WARHOL PERDEU A VIDA?

Na biografia de Andy Warhol, escrita pelo crítico de arte Arthur Danto, publicada pela Editora Ayrıntı, a expressão “a coisa mais próxima de um gênio que a história da arte produziu” é usada para Warhol.

O “Imperador” da cultura pop americana e uma das personalidades mais interessantes da história da arte, a vida de Warhol, que sempre chamou a atenção com sua versatilidade e visões extraordinárias, foi igualmente louca.

Warhol, que morreu aos 59 anos, reviveu o choque que experimentou na pintura de Marilyn quatro anos depois.

Em 1968, a editora de “SCUM Manifesto”, Valerie Solanas, apareceu em vários filmes de Warhol, dando-lhe um roteiro para rodar seu filme. Depois que Warhol não gostou do roteiro e não fez o filme, Solanas foi até a Fábrica com sua arma e atirou em Warhol.

Warhol foi declarado morto após o ataque, mas foi resgatado em uma operação de cinco horas.

Warhol escreveu sobre esse ataque, que o afetou profundamente em seu livro, “Sempre duvidei que estivesse assistindo TV em vez de viver a vida. Desde o momento em que fui baleado, me certifiquei de estar assistindo TV. Aliás, só mudam os canais, mas tudo é televisão.” estava fazendo declarações.

Warhol sofria de problemas crônicos com sua vesícula biliar no último período de sua vida. Ele morreu aos 59 anos depois de ser levado para o Hospital de Nova York em 20 de fevereiro de 1987, como resultado de uma parada cardíaca súbita.

Mesmo que tudo seja rapidamente consumido e destruído na era da “Reputação”, o nome Warhol e sua influência ainda continuam a inspirar os círculos artísticos.

Leave a Comment